domingo, 12 de julho de 2009

Nunca Fui Santa - Bus Stop


Beauregard 'Bo' Decker (Don Murray) é um Cawboy ingênuo que aos 21 anos sai pela primeira vez do seu rancho em Montana e viaja para Phoenix, no Arizona, em companhia do seu velho amigo Virgil Blessing (Arthur O'Connell), um homem mais velho que considera Bo como filho. O rapaz irá disputar um rodeio e ambos então pegam um ônibus interestadual onde durante a viagem, o velho Virgil comenta que Bo precisa arrumar uma companheira. O jovem, que nunca teve uma namorada, diz a Virgil que nao está a procura de quelquer mulher ele procura por um anjo e que quando a encontrar saberá e sentirá que essa será a mulher perfeita para ser sua companheira.
Logo que chegam em Phoenix, os dois cowboys se hospedam num pequeno hotel de frente para um café onde os competidores do rodeio se reúnem, o Blue Dragon.
No local se apresenta a bela e sensual cantora, Cherie(Marilyn Monroe) que sonha
Bus Stop 1956
em um dia ser atriz de Hollywood. Ao vê-la Bo sente que encontrou seu anjo. O velho Virgil porém não concorda com a idéia e tenta fazer com que Bo desista de se envolver com a Cherie. Para Virgil, ambos são de mundos muito diferentes e o relacionamento nunca daria certo.
Bo com seus modos rudes tenta conquistar seu “anjo”, que por sua vez se assusta com rapaz. Além do mais a jovem garçonete não quer compromisso, está cheia de sofrer desilusões amorosas e seu sonho agora é ser uma estrela de cinema. O cawboy no entanto não aceita perder Cherie e passa a perseguir incansavelmente a jovem garçonete a ponto de a mesma tentar fugir da cidade para se ver livre do rapaz.

O final da comédia é previsível mas nem por isso o filme deixa de ser interessante e divertidíssimo. Temos a oportunidade de darmos ótimas gargalhadas com o casal Cherie e Bo que são hilariantes além do restante do elenco que fazem da película uma comédia ímpar.
Destaco em Bus Stop os bastidores do longa já que este é um raro filme da produtora de Marilyn a Marilyn Monroe Productions ou MMP, onde a atriz teve o direito de escolher os artistas com quem gostaria de contracenar assim como quem dirigiria o longa, no caso Joshua Logan.
Marilyn em 1956 já passava por problemas emocionais muito fortes e durante a

gravação do filme esteve afastada por duas semanas alegando virose e exaustão. Como a companhia precisava ser paga de qualquer maneira Logan passou todo o tempo filmando e refilmando uma cena que não exigia a presença de MM. A equipe gastou quinze dias, com gasto diários de 40 milhões de dólares, para fazer uma cena de luta que durou apenas um minuto no filme.
MM que não se dava muito bem com seu companheiro de filmagem Don Murray, acabou por cortar o rosto do ator acidentalmente em uma cena que deveria bater em Don com um pedaço de seu vestido rasgado.
Marilyn teve problemas tambem com Hope Louge que no filme faz o papel de uma jovem

que reside em uma parada de ônibus e que se torna amiga Cherie, personagem de Marilyn. MM insistiu que o cabelo da jovem fosse escurecido, alegando que eles eram claros demais, a atriz temia que Louge chamasse maia atençao que ela.
Os atrasos de MM se tornaram mais constantes ainda nessa produção fazendo com que Logan se redobrasse em atenção e cuidados com a estrela, que já sinalizava fortes indícios de complexidade.
Com a conclusão do filme MM mostra, que mesmo com seus problemas pessoais era capaz de fazer com que o público a adorasse. MM Mostra tambem não era apenas um símbolo sexual, conseguindo mais uma vez fazer um ótimo filme.

"Porem de toda essa loucura e miséria surgiu um filme excelente, com um brilhante desempenho. O critico de New York Times disse sem rodeios, que Marilyn “finalmente se provara como atriz” e acrescentou ainda mais adiante: “Felizmente para ela e para a tradição da diligencia resultar em sucesso ela consegue desempenho nesse filme que a faz destacar como uma genuína estrela e não apenas uma personalidade vibrante e um símbolo sexual" A.Summeers
Don Murray, que já havia aparecido em várias séries produzidas para a televisão, estréia com essa comédia no cinema, recebendo uma indicação ao Oscar por seu trabalho. O filme conta ainda com as boas atuações de Arthur O'Connell e Betty Field. A exemplo de Don Murray, Hope Lange também estréia no cinema com esse filme. Os dois se casariam, na vida real, nesse mesmo ano de 1956.
Obs: todas as informaçoes extras que posto sobre Marilyn se encontram no livro A Deusa, As Vidas Secretas de Marilyn Monroe. de A Summers. Uma das biografias mais confiáveis sobre a atriz.
Ressalto ainda que este não é meu filme preferido de Marilyn, para mim ela estára eternizada em Quanto Mais Quente Melhor ...
Deixo Download de Nunca Fui Santa ou Bus Stop para quem interessar.
Nunca Fui Santa 1956 DVDRip.rar



2 comentários:

Rodrigo disse...

Parabéns pelo blog , belíssima foto de abertura e descrição dos posts , sempre impecável .

Enriquece - los com videos , foi uma ótima idéia , por mim copiada .

Continue assim , uma excelente semana , saúde e sucesso .

Dewonny disse...

Adorei esse filme da Monroe q aparece lindíssima!
Faz muito tempo q assisti, muito bom!
Bjo! Diego!